QUARTA-FEIRA – 22/JANEIRO/2014

QUARTA-FEIRA – 22/JANEIRO/2014
5ºDIA DO OITAVÁRIO: JUNTOS, SOMOS CHAMADOS À COMUNHÃO.  Pai cheio de amor, Tu chamaste-nos à comunhão com O Teu filho e escolheste-nos para repartir frutos testemunhando O Evangelho.  Pela graça dO Teu Espírito, torna-nos capazes de nos amarmos uns aos outros e de permanecer na unidade, a fim de que a nossa alegria seja completa.
S.VICENTE, PADROEIRO DE LISBOA (304). Natural de Saragoça e martirizado em Valência na perseguição de Diocleciano. Afonso Henriques mandou trazer as relíquias do cabo de S.Vicente para Lisboa. A nau, seguida por corvos está nas armas da cidade.  Padroeiro da Diocese do Algarve e do Patriarcado de Lisboa.
S.VICENTE, PALLOTI  (1795-1850).   Desejoso de ser “trabalhador incansável” do Evangelho este sacerdote romano fundou a “Sociedade do Apostolado católico” (Pallotinos).  Canonizado em 1963 por João XXlll.
1 Samuel 17, 32-33. 37. 40-51 ; Sal 143,1. 2. 9-10 ; Marcos 3,1-6
QUANDO A PRUDÊNCIA DISSIMULA O MEDO  (Mar.3,1-6). Viver segundo a letra ou viver segundo o espírito
da Revelação ? A pergunta tem toda a actualidade. Este evangelho incita-nos a ter presente a visão do ensino de Jesus, O qual veio para “salvar” e não para “matar”, para reacender e não para apagar a mecha que ainda fumega.    Ele convida-nos igualmente a sair da prudência que serve tantas vezes para justificar o medo de nos comprometermos. Jesus, com efeito, poderia ter-Se refugiado por detrás da observância do sábado para ignorar o homem de mão paralizada e evitar assumir riscos. Aliás Ele põe a questão nos termos da Lei: permitido ou proíbido?  Mas leva de imediato quem O escuta para o terreno de fazer o bem ou de fazer o mal, de salvar ou matar. A pergunta fica modificada e já não se trata de saber se a lei autoriza ou não, mas de procurar o bem do outro, de fazer viver mais e melhor (o contrário de fazer morrer). Ao regime do “permitido”, do “autorizado”(existin), Jesus contrapõe a Sua própria “autoridade”(exousia), sobre a qual os que O cercam se interrogarão. Trata-se de um mesmo vocabulário, mas Jesus resolve as controvérsias sobre a Lei com a autoridade pessoal que lhE vem de Deus: a Lei de fazer viver.

“Meditações Bíblicas”, trad. das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort  (Supl. Panorama,  Ed. Bayard, Paris)