Apartes

SOLENIDADE DE S.PEDRO e S.PAULO, Apóstolos – 29JUNHO/2022

CombatiOBomCombateAs três leituras da festa dos santos Pedro e Paulo dizem-nos o que significa conhecer Cristo, O Filho de Deus vivo.  Significa viver na Sua intimidade e trabalhar sem descanso na construção da Sua Igreja. Significa, tal como estes dois Apóstolos, aceitar até a prisão e o martírio ; e também ficar fiel até ao fim… Esta figura de Edourd Louis Edy-Legrand (1892-1970) representa a prisão de S.Paulo em Jerusalém, situação que o levou até Roma onde, prisioneiro, continuou, nas suas Encíclicas, o “bom combate” da defesa fé. Hoje vão ser ordenados no mundo muitos sacerdotes. Será a eles em especial que Jesus fará a pergunta: “Para vós, quem sou Eu ?”  E é uma resposta profunda que Ele espera. As vocações consagradas não são um assunto que possamos olhar com distanciamento.  A profundidade da resposta dos novos (e antigos) padres depende da qualidade da nossa vida cristã, e a sua fidelidade depende da profundidade da nossa.

Actos 12,1-11 ; Sal 33, 2-9 ; 2 Timóteo 4, 6-8.17-18 ; Mateus 16,13-19

LibertacaoDePedro_MurilloQUANDO DEUS VEM LIBERTAR-NOS (Act.12,1-11). Se a leitura deste texto dos Actos dos Apóstolos for feita superficialmente corre-se o risco de ficar indiferente. De facto, ele transmite um estilo “maravilhoso” que parece nunca acontecer nas nossas vidas.   Porém, se estivermos atentos aos contrastes, ao simbólico, à mudança que se dá na situação do personagem principal, descobre-se que o relato fala de uma experiência que está na base da conversão do cristão : a  passagem da situação de prisioneiro à de ser livre. De facto, o autor fala com insistência por um lado na prisão e acorrentamento de Pedro, e por outro, na forma da sua libertação inesperada.  Uma libertação devida, é verdade, à intervenção de Deus, mas que só acontece com a participação do beneficiário, implicando que ele passe da condição de adormecimento à de alerta, tenha confiança plena, e se revista do traje de viajante(traje necessário para celebrar a Páscoa antes da saída do Egipto, no Livro do Êxodo (12,11.31). Todos conhecemos esta sensação de aprisionamento e de alienação por causa dos nossos medos, cobiças, rancores e várias dependências. Talvez nós já tenhamos vivido igualmente uma libertação, fosse ela devida a um toque dO Espírito, a uma palavra da Escritura, a um irmão ou uma irmã, a um acontecimento? Então abriram-se as portas.  Talvez tivéssemos, como Pedro, dificuldade em acreditar? Seja como for, este texto é uma mensagem de esperança que relata uma experiência de tipo pascal.  Aliás, tem muitos pontos de contacto com os relatos da Paixão e da Ressurreição: Cristo encerrado no túmulo, ligado pela morte e as faixas da mortalha e que todavia Se “ergeu”. Finalmente, a referência à Igreja orante deve despertar a nossa responsabilidade e solidariedade na libertação dos outros. Motivo para relançar a nossa oração de intercessão.

“E VÓS, QUEM DIZEIS QUE EU SOU?” (Mateus 16,13-19). Ao fazer esta pergunta aos Apóstolos, Cristo espera uma resposta profunda. Porque é possível facilmente dizer, como Pedro, “Tu és O Messias, O Filho de Deus vivo” sem que a resposta seja satisfatória;  sem, se conhecer verdadeiramente aquele que se designa. A resposta do intelectual nunca provocará a conclusão de Jesus: “Tu és feliz !”. O empenhamento em seguir O Senhor como sacerdote ou diácono não evita os combates nem os insucessos pastorais.  Mas o que dá ânimo para prosseguir a missão recebida é a comunhão dos baptizados na oração e o auxílio dO Altíssimo. Nenhuma época é fácil para realizar o trabalho de evangelização que Cristo nos pede. A recusa da verdade, a preferência por outros caminhos espirituais na maioria ilusórios, as perseguições mais ou menos fortes e até por vezes o desinteresse, tudo isto vem perturbar os primeiros passos de quem se lança na corrida ao serviço do Evangelho. Para se perseverar nesta via é preciso estar enraízado na oração e na leitura da Palavra.

“Meditações Bíblicas”, tradução das Irmãs Dominicanas de Notre-Dame de Beaufort  (Supl.Panorama, Ed.Bayard, Paris). Selecção e síntese: Jorge Perloiro.