SEXTA-FEIRA – 17/JUNHO/2016

2 Reis 11, 1-4. 9-18. 20 ; Sal 131, 11-14. 17-18 ; Mateus 6, 19-23

“ONDE ESTIVER O TEU TESOURO, ESTARÁ TAMBÉM O TEU CORAÇÃO…” ( Mat. 6,19-23). A fé dos cristãos é uma fé que ama a terra. Jesus convida-nos a acumular tesouros no céu não por desprezo das realidades terrestres, mas para nos impedir de pararmos no caminho. Jesus confronta aquilo que é passageiro, àquilo que tem valor de eternidade, aquilo que não resiste à prova do tempo e às adversidades, àquilo que permanece : uma explêndida ocasião para reler a nossa vida presente sob este ângulo de eternidade. Onde está o “tesouro” em que fundamentamos a nossa vida, em virtude do qual a orientamos e lhe damos sentido ? Amar o mundo e as pessoas que nos são confiadas, será, no íntimo deste mundo, orientá-las sem descanso para O Reino dos Céus que advém e cujo preço de entrada é exclusivamente o do amor. Nós somos imediatamente enviados ao mundo para dar às realidades terrestres o seu peso de eternidade. O nosso olhar deve aprender a discernir essas “coisas do alto” que nunca passarão. Com um olhar bem aguçado pela oração e caridade, jamais esquecidos de que apenas “o amor nunca passará”.

Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye (Suplemento Panorama, Edição Bayard, Paris. Selecção e síntese: Jorge Perloiro.