SEGUNDA-FEIRA – 21/DEZEMBRO/2015

SaoPedroCanisioS. PEDRO CANÍSIO (1521-97). Sacerdote jesuíta que lutou contra a difusão do protestantismo na Alemanha, Áustria, Boêmia, Morávia (República Tcheca) e Suíça. Grande devoto de Maria a ele se credita a adição à Ave Maria da sentença final “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores”, que surgiu pela 1ª vez no seu catecismo de 1555. Foi canonizado e declarado Doutor da Igreja (Malleus Hereticus, “martelo dos hereges”), em 1925, pelo Papa Pio XI.

Cânt. 2, 8-14 ou Sofonias 3,14-18a ; Sal 32, 2-3.11-12. 20-21; Luc.1,39-45

O IMPULSO DO AMOR (Cântico 2,8-14). O sopro de alegria continua nas leituras de hoje. “O bem amado” escala as montanhas, ele convida “a bela bem amada” a levantar-se para se unir a ele. Maria acorre à sua velha prima Isabel como gazela saltitante sobre os montes da Judeia. Porquê tanta pressa ? Porque o amor estuga-nos os passos. Cheios dO Espírito Santo e do desejo de partilhar a Boa-Nova, todos estes personagens têm sede de se encontrarem, de se estreitarem, de falarem do seu segredo. Deixemo-nos empolgar pelo seu ardor e corramos para o presépio arrastando connosco os que encontrarmos no caminho.

A FÉ PARTILHADA (Sof. 3,14-18a). “O Senhor (…) está no meio de ti como poderoso Salvador! ”(Sof. 3,17). Contemplemos Maria, filha de Sião, Arca Santa, na visita a Isabel. Encontro de onde brota o reconhecimento mútuo e, para Isabel, a percepção de que O Menino que vai nascer de Maria é O seu “Senhor”. Só a fé, partilhada por inspiração dO Espírito Santo, dá azo a tal maravilha. Estes textos ajudam-nos a ultrapassar o pudor que mantém, tantas vezes, superficiais os encontros de uns com os outros. Sim !, “Feliz aquela que acreditou !” A felicidade de Maria repercute-se em nós e na Igreja.

“DE ONDE ME É DADO QUE VENHA TER COMIGO A MÃE DO MEU SENHOR…?” (Luc.1,39-45). “Estremecer de alegria”, “felicidade”, “bem-aventurada” “feliz” … O vocabulário deste evangelho é um fogo de artifício! Expressão da alegria de Isabel: alegria que ela comunica ao bendizer Maria e que recebe do filho, primeiro a exultar-lhe no seio. Tal como o amor, a alegria é contagiosa: se nos dermos, a alegria e o amor multiplicam-se! Será que esta alegria, a quatro dias do Natal, também está em nós?

Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye. Selecção e síntese: Jorge Perloiro.