SÁBADO – 26/DEZEMBRO/2015

a_SantoEstevaoELapidadoActos 6,8-10; 7,54-59 ; Sal 30,3cd-4.6.8ab.16bc-17; Mateus 10,17-22

NOS BRAÇOS DE DEUS (Actos 6,8-10; 7,54-59). Estêvão colocou-se de joelhos e gritou com voz forte: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito”. “Grande é o seu grito, por grande ser o seu Amor. E com estas palavras adormeceu nO Senhor, absorvido num abismo de luz, para repousar nos braços de Deus.”
Aelred de Rievauls, monge cisterciense inglês (séc. XII).

SEM NUNCA DESESPERAR DE DEUS (Mat.10,17-22). O contraste é violento entre a ternura do presépio e as pedras que voam derrubando o diácono Estêvão. E as palavras de Jesus cumprem-se: “Vós sereis odiados por todos, por causa do Meu nome. Mas aquele que se mantiver firme até ao fim será salvo.” Reside aqui o génio do cristianismo : afrontar a realidade no que ela tem de mais trágico sem nunca desesperar de Deus. Ao Menino de 1 (um) dia Estevão está a dizer que há-de experimentar o sofrimento e a morte para que nunca mais fiquemos sós nas provações. Jesus significa em hebraico “Deus-salva”.

Meditações Bíblicas”, tradução dos Irmãos Dominicanos da Abadia de Saint-Martin de Mondaye. Selecção e síntese: Jorge Perloiro.